Garota raptada retorna a Fortaleza

sexta dia 08.03.2013: 9h20

O acusado do rapto veio no mesmo voo que trouxe a vítima de volta ao Ceará. Ele será ouvido, hoje, no DIP 
A garota que foi induzida por um homem a fugir de casa, em Pacajus, no dia 19 de fevereiro, desembarcou, no fim da tarde de ontem, ao Aeroporto Internacional Pinto Martins, em Fortaleza, procedente do Paraná. O acusado de ter aliciado a estudante Larissa Gadelha de Sousa, 14, chegou preso, no mesmo voo comercial que trouxe a menina.

Daniel de Oliveira, 32, é suspeito de ter aliciado outras adolescentes. Ele teve prisão decretada e foi localizado no Interior do Paraná fotos: Kléber Gonçalves 

Daniel de Oliveira, 32, foi capturado em flagrante, anteontem, quando, munido por um mandado de prisão preventiva, delegado Andrade Júnior, diretor da Coordenadoria de Operações Policiais (Copol); e major Cícero Henrique, da Coordenadoria de Inteligência (Coin), da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Ceará (SSPDS), localizaram o imóvel onde suspeito estava vivendo com Larissa, na cidade de Paranaguá (97Km de Curitiba). 

Apenas leite
De acordo com informações do delegado Andrade Júnior, a adolescente “comprou a ideia” de que seu raptor era uma “príncipe”, mas já estava percebendo que não era bem assim. “Ela mesma disse que ele a alimentava somente com leite e achocolatado. A cabeça e o corpo dela mostram que, independente da idade, é uma criança”.

Andrade Junior disse que quando o local foi descoberto, a Polícia do Paraná ofereceu total apoio para que a prisão de Oliveira fosse realizada com sucesso.

O coordenador da Copol disse também que há indícios de que outras meninas tenham sido vítimas de Daniel de Oliveira, inclusive aqui no Ceará. “Ele procurava essas meninas por fotos na rede social. Temos informações de que cinco outras cearenses de Fortaleza e Juazeiro do Norte tenham sido atraídas por ele. Suspeitamos que ele também agia nos Estados de São Paulo e Pernambuco. Uma garota de Manaus, que foi aliciada, acabou sendo abandonada no Rio de Janeiro”.

O delegado disse ainda, que o comportamento de Oliveira configura o crime de pedofilia. 



O pai de Larissa foi ao Aeroporto Internacional Pinto Martins buscá-la e se emocionou na hora do desembarque. O desaparecimento durou duas semanas e mobilizou a Polícia do Ceará, através de seus setores de inteligência e operações 

Material pornográfico encontrado no local foi recolhido e será periciado. “Trata-se de um notebook, onde haviam imagens de garotas, CDs em que ele gravava esses arquivos e outros equipamentos”, disse Andrade. 

Ouvido

Quando chegava à Delegacia Geral da Polícia Civil, onde passou a noite de ontem, Daniel de Oliveira negou ter envolvimento com este tipo de crime, mas assumiu que o relacionamento dele com Larissa tenha começado pela internet.

O acusado será ouvido hoje, no Departamento de Inteligência Policial (DIP), pela presidência do inquérito, delegada Viviane Apolônio Machado. 

O secretário de Segurança Pública do Estado, coronel Francisco José Bezerra, compareceu ao desembarque da garota e do homem preso. Ele disse que, daqui em diante, o Ceará toma para si todas as responsabilidades pelas investigações. “A Polícia cearense assume por inteiro o caso, para elucidar totalmente até onde e em qual proporção esta pessoa agia”. Bezerra disse ainda, que as investigações deverão esclarecer como uma garota de 14 anos conseguiu sair do Estado, em um voo comercial, sem autorização dos pais, portando apenas o registro de nascimento. 

O delegado da Copol revelou que a poder de persuasão de Daniel é muito grande e que, com facilidade, ele conseguia induzir suas vítimas a fazer o que ele queria. “Ele as conquistava. Fazia promessas de presentes e acabava as convencendo. O poder que ele tem de convencimento é enorme”. Andrade disse também, que a Polícia ainda não sabe o que acontecia com as garotas depois que ele abusava delas.

“Somente da vítima de Manaus, sabemos que foi abandonada no Rio de Janeiro. As demais ainda vamos investigar o que aconteceu com elas”, declarou. 

O raptor não costumava levar as meninas para o mesmo lugar. Há registros dele em várias partes do País atraindo suas vítimas. As mudanças facilitavam o esquema e dificultava que ele fosse identificado pela Polícia.

Daniel de Oliveira, é natural do Rio de Janeiro e declarou que, atualmente, morava em Paranaguá. Ele planejou todo o trajeto que faria com Larissa e comprou as passagens uma semana antes. “No plano, ele escolheu, inclusive, a companhia área que seria mais fácil conseguir embarcar com a menor”. 

O delegado lembrou a luta que o País inteiro trava contra a pedofilia. “Este é um crime bárbaro contra as nossas crianças. Este homem sempre conseguia se safar sem ser descoberto, mas dessa vez, ainda bem, que acabou preso”.

Síndrome de Estocolmo
Mesmo já tendo percebido que a vida prometida por Daniel de Oliveira não era a que ela estava levando, Larissa de Oliveira ainda estava muito envolvida com ele. “Ela estava totalmente ‘estocolmizada’. Repetia sempre que foi porque quis e que ele não a fez mal”, disse o delegado.

O termo a que Andrade se referiu, remete a um estado psicológico conhecido como ‘Síndrome de Estocolmo’, em que a vítima de um cárcere privado, ou, sequestro, acaba se apaixonando por seu sequestrador. A delegada Viviane Apolônio disse que já foi solicitado acompanhamento psicológico para a garota. 

NÚMERO
15 dias durou o desaparecimento da estudante cearense, desde o momento que ela foi levada da cidade de Pacajus para o Estado do Paraná, onde foi encontrada 

Márcia FeitosaEspecial para Polícia

Share:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Twitter Google Plus email Email
EMAIL: contato@radioousadia.com.br

Curta Nossa Página

As Mais Lidas do Nosso Site

De onde Nos Visitam

Arquivos do Site

Total de Visitantes do Site