Família de grafiteiro morto por polícia com taser faz protesto em Miami

 10/08/2013 21h05

Israel Hernández, 18, foi atingido por arma de choque após grafitar muro.
Neste sábado, amigos fizeram 'vigília' e pediram investigação do caso.

Da AFP
3 comentários
Jacqueline Llach (à esq.) e Offir Hernández (à dir.), respectivamente mãe e irmã do grafiteiro colombiano Israel Hernández, choram durante protesto contra a morte do jovem, que recebeu um disparo de taser da polícia em Miami (Foto: Joe Raedle/Getty Images/AFP)Jacqueline Llach (à esq.) e Offir Hernández (à dir.), respectivamente mãe e irmã do grafiteiro colombiano Israel Hernández, choram durante protesto contra a morte do jovem, que recebeu um disparo de taser da polícia em Miami (Foto: Joe Raedle/Getty Images/AFP)
Familiares e amigos de um grafiteiro morto após ser atingido por um disparo de taser, uma arma de choque, fizeram um protesto neste sábado (10) em Miami. O colombiano Israel Hernández-Llach tinha 18 anos e estava grafitando um muro na terça-feira (6) quando foi surpreendido por agentes da polícia de Miami Beach, por volta das 5h. Segundo a polícia, o jovem fugiu e, durante a perseguição, recebeu uma descarga de taser.
Durante o ato deste sábado, a família de Hernández-Llach pediu que o incidente seja investigado. A morte teve repercussão na comunidade artística de Miami Beach, já que o rapaz era um grafiteiro conhecido por lá, com trabalhos exibidos localmente.
Ao ser abordado pela polícia, ele atuava em uma zona conhecida por Little Buenos Aires, na Avenida Collins. O policial que efetuou o disparo, Jorge Mercado, foi colocado em licença administrativa, informou o jornal "The Miami Herald", citando fontes da polícia. Dois amigos de Hernández confirmaram a versão dos policiais.
"Quando já estava sob custódia, o rapaz deu sinais de problemas médicos", informou o porta-voz da polícia, Raymond Martinez, em comunicado enviado à AFP. Hernández foi levado ao Hospital Monte Sinai, situado a poucos quilômetros do local do incidente, onde os médicos constataram sua morte.
O caso remete à morte do estudante brasileiro Roberto Laudisio Curti, 21 anos, atingido por vários disparos de taser em Sydney, no dia 18 de março de 2012. Durante uma perseguição policial, Curti foi alvo de 14 disparos da arma Taser e acabou morrendo.
A polícia alegou ter perseguido Curti devido ao furto de dois pacotes de biscoito em uma loja, mas a ação provocou indignação na Austrália e um amplo debate sobre a violência policial.
Cartazes em protesto contra a morte do grafiteiro Israel Hernández-Llach, em Miami; ele morreu após ser atingindo por um disparo de arma de choque (Foto: Paula Bustamante/AFP)Cartazes em protesto contra a morte do grafiteiro Israel Hernández-Llach, em Miami; ele morreu após ser atingindo por um disparo de arma de choque (Foto: Paula Bustamante/AFP)
Cartazes mostram o rosto do grafiteiro Israel Hernández, morto pela polícia de Miami após ser atingido por arma de choque; protesto pediu apuração do incidente (Foto: Joe Readle/Getty ImagesAFP)Cartazes mostram o rosto do grafiteiro Israel Hernández, morto pela polícia de Miami após ser atingido por arma de choque; protesto pediu apuração do incidente (Foto: Joe Readle/Getty ImagesAFP)
'Descanse no paraíso, Israel Hernández', diz cartaz em ato pela morte do grafiteiro Israel Hernández, atingindo por um disparo de taser dado por um policial em Miami (Foto: Paula Bustamante/AFP)'Descanse no paraíso, Israel Hernández', diz cartaz em ato pela morte do grafiteiro Israel Hernández, atingindo por um disparo de taser dado por um policial em Miami (Foto: Paula Bustamante/AFP)
Share:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Twitter Google Plus email Email
EMAIL: contato@radioousadia.com.br

Curta Nossa Página

As Mais Lidas do Nosso Site

De onde Nos Visitam

Arquivos do Site

Total de Visitantes do Site